terça-feira, 21 de dezembro de 2010

domingo, 19 de dezembro de 2010

My Sweet Prince - Placebo 2° Parte - Video

video


 My Sweet Prince
Never thought you'd make me perspire
Never thought I'd do you the same
Never thought I'd fill with desire
Never thought I'd feel so ashamed

Me and the Dragon
Can chase all the pain away
So before I end my day
Remember

My sweet prince
You are the one
My sweet prince
You are the one

Never thought I'd have to retire
Never thought I have to abstain (obstain?)
Never thought all this could backfire
Close up the hole in my vain

Me and my valuable friend
Can fix all the pain away
So before I end my day
Remember

My sweet prince
You are the one
My sweet prince
You are the one
You are the one x4

Never thought I'd get any higher
Never thought you'd fuck with my brain
Never thought all this could expire
Never thought you'd go break the chain

Me and you baby
Used to flush all the pain away
So before I end my day
Remember

My sweet prince
You are the one
My sweet prince
You are the one
You are the one (repeat god knows how many times)

My sweet prince

My sweet prince

My Sweet Prince - Placebo








Placebo - My Sweet Prince 
Never thought you'd make me perspire
Never thought I'd do you the same
Never thought I'd fill with desire
Never thought I'd feel so ashamed

Me and the Dragon
Can chase all the pain away
So before I end my day
Remember

My sweet prince
You are the one
My sweet prince
You are the one

Never thought I'd have to retire
Never thought I have to abstain (obstain?)
Never thought all this could backfire
Close up the hole in my vain

Me and my valuable friend
Can fix all the pain away
So before I end my day
Remember

My sweet prince
You are the one
My sweet prince
You are the one
You are the one x4

Never thought I'd get any higher
Never thought you'd fuck with my brain
Never thought all this could expire
Never thought you'd go break the chain

Me and you baby
Used to flush all the pain away
So before I end my day
Remember

My sweet prince
You are the one
My sweet prince
You are the one
You are the one

My sweet prince

My sweet prince


My Sweet Prince (tradução)
Meu doce príncipe

Nunca pensei que você me faria transpirar.
Nunca pensei que eu faria o mesmo.
Nunca pensei que eu me encheria de prazer.
Nunca pensei que me sentia tão envergonhado

Eu e o dragão, podemos mandar toda o dor embora.
Então antes de eu acabar meu dia... lembre:

Meu doce príncipe, você é o único.
Meu doce príncipe, você é o único.

Nunca pensei que eu teria que retarir.
Nunca pensei que eu teria que conter-me.
Nunca pensei que isso poderia voltar fogo.
Fechar o buraco na minha veia.

Eu e meu valioso amigo, podemos fixar toda a dor pra longe.
Então antes de eu acabar meu dia... lembre:

Meu doce príncipe, você é o único.
Meu doce príncipe, você é o único.
Você era o único (4x)

Nunca pensei que eu poderia chegar tão alto.
Nunca pensei que você iria fuder com o meu cérebro.
Nunca pensei que isso poderia avançar.
Nunca pensei que você iria quebrar as correntes.

Eu e meu querido, costumávamos mandar toda a dor pra longe.
Então antes de acabar com o meu dia...lembre:

Meu doce príncipe, você é o único.
Meu doce príncipe, você é o único.
Você é o único. (repete umas milhões de vezes

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Esqueci o Halloween ^^

Pois é o bendito Halloween passou e minha idéia da fantasiar o Joel de gatinho ficou só na idéia, mas tudo bem antes tarde do que nunca eis as fotos ^^.





domingo, 10 de outubro de 2010




 O Dia em que conheci você
 

2° Parte

22/07/2010 Escrito por Joel Haynes.

Durante o tempo em que ele esteve desacordado os médicos do hospital me indagavam de onde eu o conhecia, quem ele era e o que havia acontecido com ele? Por que a ferida que ele obtivera era grave demais para ter sido um acidente corriqueiro, e eu não tinha resposta nenhuma sobre as indagações, eu só ficava tão incomodado quanto eles em saber que alguém passou por uma situação tão terrível e até então não tem um nome, uma história.
Apesar de ele com certeza ser alguém de algum lugar, não havia nenhum indicio de que alguém houvesse dado falta do mesmo ou que houvesse sumido de algum lugar. E, além disso, para onde ele irá depois que sair do hospital?
Não sei por que mas isto tudo estava me dando um sensação de caos dentro de mim, como se nada estivesse no lugar.

17/09/2010

E eu sabia o que tinha que fazer com toda certeza, não queria deixá-lo desamparado e sozinho após um incidente como este...E olhando, eu podia perceber algo de muito sensível nele, me parecia alguém que havia passado por muitos sofrimentos até ali, por mais que eu acreditasse que todos temos que superar nossos sofrimentos eu não queria deixá-lo sozinho, por quê????
Eu realmente espero poder ajudá-lo ainda de alguma forma talvez essa sensação de preocupação passe.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Kuroi Namida - Anna Tsuchya

video



Asu nante konai you nito negatta yoru kazoekirenai
Yume mo ai mo nakushi ame ni utareta mama naiteru…

Kasaritsukenai de kono mama no watashi de ikite yukutame
Nani ga hitsuyou
Jibun sae shinjirezu nani wo shinjitara ii no
Kotae wa chikasugite mienai

Kuroi namida nagasu
Watashi ni wa nani mo nakute kanashisugite
Kotoba ni sae nara nakute
Karadajuu ga itami dashite
Taerarenai hitori dewa

Yonaka ni nakitsukarete egaita jibun janai jibun no kao
Yowasa wo kakushita mama egao wo tsukuru no wa yameyou…

Kasaritsukenai de ikiteyuku koto wa kono yo de ichiban
MUZUKASHI KOTO?
Anata kara morau nara katachi no nai mono ga ii
Kowareru mono wa mou iranai

Kuroi namida nagashi sakendemo
Shirame kao de ashita wa kite
Onaji itami ni butsukaru
Sonna hibi wo tsuzukeru nara
Tooku kiete shimaitai
Wagamama to wakattemo

Kuroi namida nagasu
Watashi ni wa nani mo nakute kanashisugite
Kotoba ni sae nara nakute
Karadajuu ga itami dashite

Kuroi namida nagashi sakendemo
Shirame kao de ashita wa kite
Onaji itami ni butsukaru
Sonna hibi wo tsuzukeru nara
Tooku kiete shimaitai
Wagamama to wakattemo

terça-feira, 27 de julho de 2010

Coma...



Ele ainda esta dormindo, continua em algum lugar dentro de seus sonhos, e sobre ele nada sei além do seu estado imediato de coma, quem teria feito algo tão ruim a ele a ponto de deixa-lo neste estado... ou quê? Sera que ele vai sobreviver? Por que sinto tão compadescido dele? Ja fiz minha parte eu o ajudei, o que mais eu quero fazer agora?

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Madrugada






















Madrugada
O sangue percorre meu corpo
Um silêncio percorre os segundos
Não sinto meus pés no chão
Sinto é um vazio imenso na alma
Uma extrema calma
Eu quero chorar e gritar
Eu quero é sumir
E caminhar na escuridão
Com o coração quebrado e sangrando
Rasgando de solidão
Vago no céu estrelado
Acabou a noite , e chegou a madrugada
Eu choro em lágrimas de sangue
Por não Ter a liberdade
Por ficar só na vontade
De poder vagar mais alto
Em trevas imensas
Em noites densas
Sob os sepulcros vazios
Agora paro, sento em um telhado
Reparo a noite, acabou a madrugada
Dormirei aqui, sob a lua
Minha branca lua
Como eu ...
meus olhos se fecham
e minha alma vaga... e assim, pra mim...
continua a madrugada...

Fonte: http://poemasgoticos.zip.net/arch2005-04-03_2005-04-09.html 

segunda-feira, 5 de julho de 2010

O Dia Em Que Conheci Você By Joel Haynes


























Escrito por Joel Haynes.

Sempre achei que eu fosse ficar sozinho, eu nunca quis me preocupar com a companhia de outras pessoas, sempre estive seguro dentro de mim mesmo, a calma e a solidão de meus dias me preenchia de uma maneira que eu nunca imaginei que outra coisa pudesse fazê-lo, jamais pensei que aquele sonho seria o prelúdio de uma história tão fantasiosa. Mas graças a isso eu pude conhecer você...

Naquela noite o calor era intenso por milagre eu consegui pegar no sono, um sono pesado que não deveria ter me dado oportunidade de sonhar, porém, o sono me levou e por algum motivo fui parar em uma floresta que eu nunca havia visto, densa com arvores altas e frondosas que cobriam todo o céu deixando apenas filetes de luz da lua passar e iluminar seus troncos e o solo da floresta, por mais que tentasse achar a saída eu não tinha nenhum sucesso e de alguma forma algo em meu interior dizia que devia permanecer ali, um ímpeto muito maior do que minha própria vontade. Sentia bem La no fundo de minha alma que algo estaria pra acontecer e de certa forma o medo me fazia tremer um pouco, mas ainda sim permaneci ali.

A noite já havia passado, já era madrugada e eu ainda estava ali sozinho no meio da floresta, o vento uivava sobre a copa das arvores era um vento tão sereno e fresco, que por um breve momento deixei-me divagar no vento e por um instante pareceu que tudo estava bem e que a qualquer momento eu voltaria para casa e que estaria em minha cama dormindo... Mas a sensação do grande acontecimento ainda estava em meu peito e parecia que estava cada vez mais perto.

Ainda ali sentado na grama do solo da floresta algo roubou minha mente e me levou para além daquela clareira onde me encontrava. Rapidamente como se estivesse em um veiculo muito rápido minha mente correu por entre as arvores rápida e cada vez mais rápida, uma voz, alguém estava me chamando, gritava por socorro, pedia ajuda, mas quem? E por quê? Minha mente começou a desacelerar parando pouco a pouco, chegando a outro ponto da tal floresta, neste ponto tudo parecia mais escuro e tenebroso, o que estava acontecendo afinal?

Por alguns instantes eu rodei em volta de mim mesmo pra obter alguma informação do local, mas, foi inútil, estava muito escuro. Súbito ouvi um ruído bem baixinho, como o da respiração de um grande animal, sem saber exatamente onde estava pisando tentei me afastar do tal barulho meu coração quase saindo pela boca, em algum ponto naquele espaço pude perceber que a tal criatura estava realmente perto e estava se levantando, teria ela percebido minha presença ali? E agora?

E talvez pra melhorar minha situação a clareira começou a ficar mais clara a Lua estava aparecendo por sobre as copas das arvores iluminando toda a clareira... Assim, olhei em toda a volta tentando localizar a criatura para poder fugir o mais rápido possível, não demorei muito para achá-la, no outro extremo da clareira La estava ela a criatura, uma enorme fera negra, parecia um tigre negro com uma enorme boca, estava ainda um pouco escuro, mas era possível ver muito mais do que o perigo da fera, a luz da lua a iluminava e fazia com que brilhasse suas pressas fazendo com que meu corpo tremesse um pouco pra me ajudar, mas, algo mais brilhou, era um brilho vermelho intenso, como o sangue, a criatura estaria ferida? Tanto melhor, ela não poderia me perseguir se eu correr, súbito a criatura caiu no chão por sobre as patas, soltou um urro tão desolador, e baixinho a criatura começou a chorar.

Suas lágrimas brotaram em prata dos seus olhos, e na meia luz da clareira elas brilhavam como tal, a criatura chorava baixinho cortando meu coração, eu observando aquela cena desejei ajudá-la, mas e se ela me atacasse? Poderia me matar... Mas a pena da criatura era maior do que meu medo, com isto fui me aproximando pouco a pouco dela, a criatura era muito maior do que eu havia pensado suas patas poderiam facilmente me estraçalhar com um leve tapa, o medo veio de novo com força, mas não me afastei, senti que ela realmente precisava de mim, toquei delicadamente sua pata, ela virou seu rosto pra mim pude ver a luz da lua refletida em seus olhos e nas lágrimas que ainda brotavam prateadas, seu olhar era realmente de socorro.

Não sei exatamente por quanto tempo fiquei olhando pra ela, na verdade acho que foi por alguns instantes eu e a criatura ficamos nos fitando acho que nos reconhecendo, e o sentimento de querer socorrê-la fincou-se ainda mais forte em meu coração, precisava fazer aquilo ali e agora senão acreditei que ela poderia morrer. Talvez de alguma forma a criatura tenha sentido isso, E em seguida a isso novamente la dentro de minha mente aquela voz falou dolorosamente “Por favor me ajude...” Após isso minha mente começou a ficar muito clara, a fera estava sumindo na claridade de minha mente, eu estava voltando para meu quarto pensei, ainda sim tentei com todas as forças segurar a criatura mas eu estava indo embora para algum lugar, em um ultimo instante a fera me olhou suplicante por ajuda, e a voz novamente pediu “Por favor...esperarei seu socorro...me ajude por favor”.

Minha mente cada vez mais clara me levava para algum lugar, minha consciência foi aos poucos morrendo no silêncio que a claridade proporcionava, e antes que eu pudesse pensar em algo mais eu apaguei.

No dia que se seguiu a manhã mais uma vez foi quente como o inferno... Eu conseguia me lembrar do sonho, da criatura e da floresta eu não conseguia imaginar o porquê daquilo, e acreditei que fosse apenas um sonho de uma noite quente demais. E seguindo os planos do fim de semana preparei minha mochila para o passeio no parque, para receber a tão esperada sensação de solidão, de ser único no mundo ou no universo que só o meio do parque poderia me dar, muito embora eu estivesse pensando e ir ao outro lado da cidade para entrar na floresta, pensei “Afinal o parque sempre esta cheio de pessoas também no fim de semana, talvez fosse melhor ir pra algum lugar onde não as encontra-se”.

Ainda sem pensar muito aonde iria sai de casa e fui para aquele calor maldito da rua, no caminho para o ponto de ônibus fui passando mentalmente tudo o que havia posto na mochila pra não correr o risco de ter esquecido alguma coisa e passei então a lista: Carteira, celular, primeiros socorros já que eu nunca sei o se vou me machucar nestas incursões ao interior dos parques ^^, garrafa com água, lanterna, livro e mp3.

Bom estava levando tudo do que precisava. Chegando ao ponto não precisei esperar muito o ônibus acabou se adiantando naquela manhã e devido a isto acabei indo para o parque da cidade mesmo, meio a contra gosto por que aquele calor maldito estava me deixando impaciente e esperar outro ônibus naquele Sol não era o que eu queria estando vestido de preto e coturno.

O parque estava bem fresco, soprava uma brisa muito fresca, meu calor terminou naquele instante eu agradeci as arvores por este alivio que foi um balsamo pra esse calor... Caminhei durante alguns instantes pelo parque procurando algum lugar para sentar e ficar lendo, mas acho que naquele dia talvez fosse o dia do “Vamos de mala e cuia para o parque”. Havia muitas pessoas la a algazarra era muito grande, varias crianças correndo pra la e pra cá com bolas e pais babões se achando jovens de novo...Passei metade do dia tentando obter meu sossego tão desejado mas não ia rolar... Depois de um pouco mais de um dia e meio decidi sair dali e ir a outro lugar aquilo estava muito chato pra mim.

Saindo do parque o calor estava um pouco mais agradável decidi ir a floresta do outro lado da cidade salvar um pouco do meu fim de semana. Não demorou e eu já estava a caminho de la, Neste caso o único problema era que o ônibus não chegava necessariamente na floresta e sim próximo a ela... o resto era com meus pés.

Caminhei durante uns 20 ou 30 minutos até chegar a orla da floresta, por um momento meu coração falhou uma batida, a visão da fera voltou a minha mente, fiquei com um pouco de receio de entrar na floresta, alguma coisa estava tentando me avisar que não era um boa idéia, mas eu já havia entrado na floresta algumas vezes, não havia problemas nisto por fim decidi ignorar estes pensamentos e seguir na minha idéia e adentrar na floresta.

Liguei meu mp3 e caminhei por entre os troncos das primeiras arvores mais próximas observando tudo a minha volta. O ar dentro da floresta tão ou ainda mais fresco do que no parque exceto lógico que la não havia ninguém e era isso o que eu queria desde o começo: Ninguém perto de mim. A caminhada pela floresta sem que percebesse havia se aprofundado acho que acabei andando muito mais do que das outras vezes. Neste ponto o meu mp3 já havia me cansado e eu agora queria ouvir somente os sons da floresta e sentir aquela velha sensação, aquele sentimento que sempre me acompanhou desde que percebi o quanto as outras pessoas me chateiam...

Sem perceber e me entregando todo naquele passeio na floresta acabei me perdendo em uma trilha que eu não conhecia, tentei me localizar, mas foi inútil já era tarde. Acho que por sorte ainda eram por volta de 16h00min ainda havia Sol senão eu estaria ainda mais perdido. Ainda sim não desisti de tentar achar a trilha de volta e continuei andando, Comecei então a perceber que aquele lugar não era tão estranho quanto pensei, estava com uma sensação de conhecer aquele lugar e foi então que percebi onde estava, ali era a tal clareira do sonho me assustei achei que aquele lugar não existisse era impossível, como podia?

Ainda meio atordoado andei um pouco mais dentro da clareira tentando localizar o lugar exato onde eu estive no sonho e sem muito esforço acabei achando o local, acho que por extinto me posicionei no local e me virei para o local onde deveria haver a fera com medo de encontrá-la assim como no sonho o grito só não saiu por que naquele instante o ar me faltou nos pulmões, No local onde deveria estar a fera havia algo, esse algo não era negro e grande como a fera, era mais claro da cor da pele humana?

Meu Deus havia um homem no chão da clareira, parecia bem jovem aproximei-me com um pouco de medo temi por ele, talvez ele estivesse machucado. Chegando mais perto dele percebi que o Sol incidia bem em cima dele passando por entre as arvores da clareira assim como a Lua o fez no sonho por sobre a fera, por sinal este fato por um breve momento havia sumido de minha mente, me preocupei com aquele homem ele aparentemente precisava de ajuda.

O homem estava estendido de bruços no chão de grama da clareira o Sol ardia em suas costas e mostrou-me um enorme ferimento em suas costas ele estava seriamente machucado precisava de ajuda. Seu cabelo cobria um pouco seu rosto claro tirei para poder vê-lo melhor, seu rosto era de traço perfeito, tão claro com lábios bem desenhados e firmes, parecia tão sereno e silenciosamente parecia pedir por socorro. Toquei sua testa para verificar se ele estaria com febre, sua pele ardia em febre, quanto tempo será que ele esteve ali desmaiado? Ao meu toque o homem despertou do seu sono, abriu seus olhos vagarosamente, eram olhos negros como a noite, tão profundos que pareciam sugar as pessoas para dentro deles. Com alguma dificuldade ele se levantou do chão, sempre com os olhos em mim, ele conseguiu se sentar no chão, eu não conseguia dizer nada, ele ainda me observava e esses olhos que me sugam a alma, por quê?

Seu rosto parecia muito cansado agora mas aliviado, ele tocou minha mão, seu toque era quente e macio trazia um ótima sensação, sua voz saiu como um sussurro e disse: “Eu esperei por você...não duvidei que seu coração fosse me ajudar...sabia que iria me deixar aqui e morrer...” ele ofegava parecia um esforço enorme pra ele estar falando naquele momento ainda continuou “Por favor me ajude...preciso da sua ajuda me salve...e eu realizarei qualquer coisa que desejar...Sei que seu coração é puro...É por isto que confiei em você para vir me salvar...” seu rosto se aproximou do meu ali agachado próximo a ele sua mão tocou docemente meu rosto com seu toque quente e me beijou, seu beijo tinha o calor da febre, mas era doce e envolvente mesmo que eu quisesse me livrar dele por aquela invasão que ele cometera eu não conseguia me parecia que seria um sacrilégio fazer tal coisa, sendo assim fechei meus olhos e me entreguei ao seu beijo.

Talvez ele achasse que com aquilo eu realmente o ajudaria, mas eu já iria fazê-lo assim mesmo sem beijo nem nada. Senti seus lábios se afastarem abri meus olhos e o encarei com cara de perplexidade nisto ele sorriu dolorosamente e tombou sobre mim ainda sussurrando “Por favor, me ajude...”.
Choque, pura e simplesmente a única coisa que eu consegui pensar, ele desmaiou, rapidamente peguei meu celular e liguei para a ambulância ele precisava ser socorrido depressa, sua ferida devia ter sangrado a noite toda ele pode morrer por hemorragia.

A ambulância chegou rápido na floresta, tivemos alguns problemas para retirá-lo do meio da clareira, mas deu tudo certo, de fato ele estava com a quantidade sangue baixa mais um pouco ele teria morrido mesmo, no hospital após os procedimentos surgiram outros probleminhas, os médicos não conseguiram identificar qual o tipo sangüíneo dele, eu não sabia nada sobre ele nem nome, nem idade e muito menos onde morava... Mesmo assim ele ficou no hospital por uma semana, ele havia ficado muito debilitado pela perda de sangue, estranhamente só precisaram alimentá-lo com soro e sonda nasal a questão do sangue ficou sem solução e ao que os médicos diziam, ele nem precisou de transfusão, pois na semana que se seguiu seu sangue se restaurou sozinho assustando aos médicos do hospital.

Enquanto esteve inconsciente eu o visitei todos os dias, ficava observando-o dormir, estranhamente eu queria que ele acordasse e me visse, queria saber quem era essa pessoa. Até esse momento eu não havia ligado os fatos, A cena na clareira foi quase a mesma que a do meu sonho exceto que a fera era o homem, mas é lógico que eu não iria acreditar que ele fosse a fera por favor.

E nem iria imaginar que isto seria um prelúdio de minha nova vida...

domingo, 27 de junho de 2010

Databases Joel Haynes e Aydan





Joel Haynes

(Lê-se “Joel Ráines”)

Modelo: D.O.T  Tender Elf Sha
Loja: Dream Of Doll
Idade:17
Raça: Humano
Sexo: Masculino
Sexualidade: Bissexual
Olhos: Pretos (Quando sente a presença de alguma criatura mágica roxos sem pupilas e brilhantes)
Cabelos: Pretos
Tipo Saguíneo: A definir
Hobby: Embrenhar-se em florestas e matas para apreciar os sons dela.
Comida preferida: Gosta de tudo um pouco.
Bandas Preferidas: Lacuna Coil, Nemesea, Lacrímas Profundére, e outras.
Frase:

Cor preferida: Preto e vermelho vivo
Dom especial: Ele tem a habilidade de poder ver, sentir, e falar com seres sobrenaturais



Referência: Lendo uma das edições de X-Men Extra, conheci Joel, um personagen secundário que foi feito apenas para aparecer na história “Tríptico”dessa edição. Joel simplesmente me conquistou quando o vi. A essa altura eu Já conhecia o hobby, e desta forma ele embrenhou em minha mente e não saiu mais xP.



Feed: Joel é um adolescente e por ter uma natureza mais solitária, procura sempre estar longe das pessoas, e, talvez, a verdade seja que ele tem um pouco de medo de se envolver. Ele costuma demorar um pouco para confiar nas pessoas, portanto acaba quase sempre fazendo com que ele aja sozinho em tudo que quiser fazer. Joel, ainda, tem uma habilidade especial, apesar de que como a conseguiu por hora está sem explicação: ele é capaz de ver e sentir a presença de criaturas mágicas e outras entidades como demônios e anjos. E é a partir deste dom que ele conhecerá Aydan Agony, um belo youkai que irá mudar sua vida.












Aydan Agony

(Lê-se Aidan Égony)

Modelo: D.O.I
Loja: Dream Of Doll
Idade: Indefinido.
Raça: Youkai Gato.
Sexo: Masculino.
Sexualidade: Bissexual
Olhos: Pretos (Quando ele fica nervoso eles ficam vermelhos e quando usa seu poder eles ficam dourados vivos e iguais aos dos gatos)
Cabelos: Pretos.
Tipo Saguíneo: A definir
Hobby: Como esteve durante muito tempo escravisado por humanos, nem sempre fazia o que queria, mas quando vivia em sua vila no Makai gostava de correr pela floresta próxima à vila, subir em árvores e observar tudo do alto delas.
Comida preferida: Nada em especial, porém tem tendência a gostar mais de doces.
Frase: “Em algum momento, mesmo que demore, tudo sempre fica bem.”
Cor preferida: Preto


Dom especial: Ele é um tipo especial de youkai. Pode realizar desejos usando uma de suas vidas (3 no total) e também pode encontrar artefatos mágicos com grande poder. Ele também pode se tornar uma enorme fera negra. Dependendo do ferimento pode se recuperar rapidamente.


Referência: Tirei o Aydan da lenda que aparece no manhwa “Tarot Café”, que fala sobre existir um gato mágico que podeira realizar qualquer desejo, porém a cada desejo que ele realizasse perderia uma vida e para poder reavê-las teria que matar a pessoa a quem teria realizado o desejo. O Borboleta foi a inspiração para criar o Aydan; gostei muito desta lenda e como no manhwa o Borboleta não conseguiu ficar com a moça que ele amava, se sacrificando para ela fugir com outro, achei que ele merecia uma outra chance ^^.


Feed: Aydan sempre viveu no Makai em uma vila escondida próxima à passagem entre o Ningenkai e o Makai, cresceu com sua familia composta por sua mãe, seu pai e um irmão mais velho. Eles eram um tipo especial de youkai; não precisavam se alimentar de carne humana e, com isto, talvez fossem os mais pacifícos Youkais do Makai. Porém, graças à vontade de poder de alguns dos moradores desde lugar, a vila foi descoberta e invadida por comerciantes e escravos interessados em fazer negócios com humanos, vindo a capiturar Aydan, levando-o para o ningenkai, destruindo a vila e matando sua familia. Vindo para o Ningekai, Aydan foi comprado e usado para encontrar intens magícos para seus donos poderem vender e conseguir MUITO dinheiro e, para não perder o “item” que Aydan era, eles o usavam apenas para a procura e para outros “servicinhos safados”.

Não me baseei no Database de ninguém.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Novos Olhos para os meus bebês ^^

Pois é, meus meninos receberam novos olhos, no mês passado, e como só fui resolver fazer esse blog esse mês acho que devo falar sobre eles aqui ^^ , de acordo com o que eu havia montado para os dois o Joel teria olhos de cor diferentes quando ele sentisse a presença de alguma coisa não-humana assim desde geito: 



































E para o Aydan como ele é uma gato-youkai que realiza desejos achei q seria legal se ele tivesse olhos de gato ( Jura ^^?) dourados quando ele usasse seus poderes e o legal é que eu só precisei comprar um par de olhos e o outro ( os do Joel)  vieram de graça ^^:



































Achei que  eu tenha tido um pouco de sorte por que eu ia comprar outro par de olhos para o Joel ^^.

domingo, 13 de junho de 2010

Dia Dos Namorados presente do Joel para o Aydan.

video


" Se você não existisse certamente todo o resto não deveria existir, por quê o pior pecado seria a sua não existência, Aydan você é tudo que eu preciso em minha vida, pra ela ter sentido só tendo você ao meu lado..."


Fade - Theatre Of  Tragedie

"And I fade like the dew before the sun
Silence of our ceased memories
In our dreams, everything is just the same
Withering motions."

terça-feira, 8 de junho de 2010

Adultério XP





Pois é, não é que na 1° saida dele ele acaba traindo seu parceiro ? Que feio Joel, isso não se faz menino mal, muito mal...
O Aynda ainda não viu esta foto e nem ficou sabendo ainda do babado, mas eu vou contar/mostrar pra ele logo logo kkk, acho que o Joel dorme no sofá essa semana kkk.

Créditos: Pullip Rey Ainami - Do Gustavo e da Luciana (Legnar & Nyu)

domingo, 6 de junho de 2010

Inverno No Parque XD


















































Pois é depois de muito enrolar eu finalmente levei meu menino ao parque, caraca combinei varias vezes com minha amiga e não deu certo até que tararan XD deu certo, então fomos la e tiramos algumas fotos com ele, mas sinceramente acho que ainda preciso melhorar meu manejo com ele por que não consegui fazer nada que eu queria com ele T_T tirei só umas fotos (pouquissimas ¬¬) mas em todas eu fiquei com a impressão de que nao ficou bom e de que não era aquilo que eu queria....mas pelo menos algumas salvaram e acho que ficaram um pouco boas...usei essa roupa gothic aristocrata nele por que foi a 1° que comprei pra ele na época em que achava que ele fosse ser um vampiro e não um rapaz gótico mesmo XP. Acho que talvez isso tenha contribuido um pouco para a sensação de que tudo ficou ruim, mas a idéia pra mim era legal.
É isso esse vai ser o blog onde vou postar fotos e infos sobre meus meninos. Acho que o próximo post vai ser uma história do Joel com o Aydan, vamos ver ^^'.

















 Xau Xau